09 março 2014

Com o diabo no corpo


Linda Blair se acostumou aos holofotes desde cedo. Começou aos 5 anos, como modelo infantil e, em seguida, atriz. Aos 12, já tinha aparecido em dezenas de comerciais e centenas de catálogos publicitários. Foi quando sua vida deu uma guinada: escolhida entre 600 outras garotas, ganhou o papel de Regan, a menina possuída pelo demônio no filme O Exorcista (The Exorcist), em 1973.


Rapidamente catapultada para a fama internacional, ganhou o Golden Globe e tudo indicava que o Oscar também seria dela naquele ano. Mas quando vazou a notícia de que algumas partes do filme não haviam sido feitas por ela (a voz demoníaca foi dublada por Mercedes McCambridge, e 8 segundos de cena foram feitos por uma boneca) as chances da jovem atriz de ingressar no time dos melhores de Hollywood decaíram.

No set de "O Exorcista", com o diretor William Friedkin

Com seu Globo de Ouro
Injustiças à parte, nos anos subsequentes ela deu continuidade à sua carreira e protagonizou uma série de bem-sucedidos filmes para a TV. O primeiro deles, Inocência Ultrajada (Born Innocent, 1974), ficou em 1° lugar entre os filmes feitos para a TV naquele ano. Drama de Uma Adolescente (Sarah T. - Portrait of a Teenage Alcoholic, 1975) também marcou época na TV americana. 



"O Exorcista II - O Herege"
Mas em 1977, o demônio voltaria a atacar. Linda estrelou, ao lado de Richard Burton, O Exorcista II - O Herege. A sequência, no entanto, foi um fracasso de bilheteria. Para piorar, na época, a atriz foi pressionada por amigos a comprar cocaína. Descoberta, foi julgada e pegou três anos de liberdade condicional, em troca de uma multa de U$ 5 mil e prestação de serviços sociais. O incidente ganhou mais destaque na mídia do que se podia imaginar e Linda, com apenas 18 anos, ficou queimada em Hollywood. A partir dali, sua carreira limitou-se a filmes B e participações especiais na TV.


Em 1979, uma mudança de ares: com Roller Boogie, o universo colorido e musical das discotecas de patinação serviu de cenário para uma ingênua - e kitsch - aventura dançante (que também não 'colou'). Detalhe: a maioria das cenas de patinação de Linda foram feitas por ela própria e não por uma dublê.

Com Jim Bray em "Roller Boogie"
Embora a carreira da atriz nunca mais tenha retornado aos dias de glória experimentados na época de O Exorcista, Linda provou que espírito esportivo era seu forte. Sempre bem-humorada, não se deu por vencida e continuou trabalhando dignamente. 

Nos anos 80, entre os vários filmes que protagonizou, dois se tornariam cult: Correntes do Inferno (Chained Heat, 1983) e Ruas Selvagens (Savage Streets, 1984). "Não estou fazendo isso como obra de arte, nem porque esse seja meu desejo", disse ela em uma entrevista para o Los Angeles Times, na época. "Tampouco é por alguma crença pessoal ou filosofia. Estou apenas trabalhando."


Explorando a imagem "sexy" nos anos 80
Tentando deixar para trás o estigma de "garota possuída", Linda não teve medo de explorar seu lado sexy e mais picante nesses filmes do começo dos anos 80. Nem o improvável e conturbado namoro com o cantor Rick James (que fez para ela a canção Cold Blooded, hit de 1983) fez com que a atriz deixasse a peteca cair.


Apesar de tantos altos e baixos, Linda parece não guardar ressentimento dos "traumas" do passado. Em 1990 parodiou a si própria no divertidíssimo A Repossuída (Repossessed), junto com Leslie Nielsen.


Mas o que guia sua vida atualmente é a paixão pelos animais. Ela comanda a Linda Blair WorldHeart Foundation, organização não-governamental dedicada ao resgate e reabilitação de animais abandonados, doentes ou que sofreram violência. Seu trabalho em prol dos bichos já lhe valeu vários prêmios, entre eles, de organizações como a P.E.T.A. (People for the Ethical Treatment of Animals / Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais).


Nenhuma das 'polêmicas' que envolveram a carreira de Linda Blair têm muita importância hoje. Seu lado ativista é, de fato, o centro de sua vida. Na época da tragédia causada pelo furacão Katrina, por exemplo, ela resgatou e transportou pessoalmente mais de 50 cães perdidos pela cidade, após a catástrofe. Há mais de 40 anos, a atriz permanece um ícone de Hollywood e uma figura querida da TV americana. Tanto que ela é uma das sorridentes e simpáticas juradas no terceiro episódio desta temporada de RuPaul's Drag Race, para delírio de seus antigos (e novos) fãs.

Com RuPaul no episódio de "RuPaul's Drag Race"


Linda Blair: Top 5 - Feitos para a TV

  • Inocência Ultrajada (Born Innocent, 1974) 
  • Drama de Uma Adolescente (Sarah T. - Portrait of a Teenage Alcoholic, 1975)
  • Doce Refém (Sweet Hostage, 1975) 
  • Vitória em Entebbe (Victory at Entebbe, 1976)
  • Verão do Medo (Summer of Fear / Stranger in Our House, 1978)


Um comentário:

  1. Oi:
    Legal o blog! Ainda mais pelo nome até engraçado...
    O encontrei pelo INOCENCIA ULTRAJADA acima; que filme. Se até nem sei quando ainda choca - imagina há mais de 40 anos (alias na época em que nasci).
    Há vídeos dublados deste no YOUTUBE. E em espanhol. Costumava ver o original em inglês.
    Que bom que a atriz se curou de todas essas coisas. Faz um lindo trabalho há tempos. Tem que ser.
    Vejo que gostas do ABBA. As músicas eram boas mesmo.
    Valeu,
    Rodrigo (Porto Alegre).

    ResponderExcluir