Cinco filmes de Cher que marcaram os anos 1980



Cher é um ícone da música que dispensa apresentações. Desde os anos 1960, ela se destaca não apenas como cantora, mas também como apresentadora e atriz. Como bem diz a página dedicada a ela na Wikipédia, Cher é "reconhecida por ter ajudado a difundir os conceitos de autonomia feminina e autorreinvenção na indústria do entretenimento". Mais: "Famosa pela voz grave e por ter trabalhado em várias áreas da mídia, bem como por reinventar constantemente sua música e imagem. Tudo isso rendeu a ela o apelido de Deusa do Pop."

Meu primeiro contato com Cher foi por meio dos filmes, na década de 1980. Extremamente divertidos ou emocionantes, eram o entretenimento perfeito. Constantemente reprisados na TV ou com destaque nas videolocadoras, os filmes estrelados por ela não passavam batidos. Por isso a Cher atriz foi, para mim, mais representativa do que a Cher cantora. Durante minha infância, foi quando sua carreira no cinema deu um salto e viveu seu momento mais prolífico, entre 1983 e 1988. Drama, comédia, suspense, romance... Tinha Cher para todos os gostos. Sua filmografia é variada e cheia de produções elogiadas e premiadas, que marcaram aquela década. 


Listei aqui, por ordem cronológica, cinco desses filmes imperdíveis:


Silkwood - O Retrato de uma Coragem
(Silkwood, 1983)
Direção: Mike Nichols


Drama com roteiro de Nora Ephron e Alice Arlen, inspirado na vida da ativista sindical Karen Silkwood (interpretada por Meryl Streep), morta em um suspeito acidente de carro enquanto investigava irregularidades na fábrica de plutônio onde trabalhava. O elenco é um show à parte. Cher, que interpretou Dolly, amiga de Karen, levou o Globo de Ouro de Melhor Atriz Coadjuvante. O filme ainda teve várias indicações ao Oscar.


Marcas do Destino 
(Mask, 1985)
Direção: Peter Bogdanovich


O filme é baseado na história real de Rocky Dennis, um adolescente que nasceu com displasia craniodiafisária (doença óssea caracterizada pelo alargamento dos ossos craniofaciais), razão pela qual o jovem tem uma grave deformação no rosto e no crânio. Muitos acham que ele usa uma máscara, tamanha é sua deformidade. Cher vive a mãe de Rocky (Eric Stoltz), Florence "Rusty" Dennis, que está sempre com uma turma de motoqueiros amigáveis. Entre eles, seu namorado, interpretado por Sam Elliott. Rocky é um rapaz extremamente inteligente, bem-humorado e gentil. Mas, apesar de querido pela família pouco convencional, o rapaz é tratado com medo, pena, estranheza e deboche por quem não o conhece. Em 1985, no Festival de Cannes, o filme recebeu duas indicações. Cher venceu na categoria de Melhor Atriz. Em 1986, foi indicado nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante (Eric Stoltz) e Melhor Atriz (Cher) no Globo de Ouro. Ganhou o Oscar de Melhor Maquiagem.


As Bruxas de Eastwick
(The Witches of Eastwick, 1987)
Direção: George Miller


Comédia cheia de efeitos especiais, com roteiro baseado no livro homônimo de John Updike. Na pitoresca cidadezinha de Eastwick, em Rhode Island, três mulheres entediadas — Alexandra (Cher), Jane (Susan Sarandon) e Sukie (Michelle Pfeiffer) — reúnem-se todas as quintas-feiras para se divertir e bater papo sobre assuntos variados assunto. Mas o tema da conversa é quase sempre o mesmo: os homens e seus defeitos, e como seria, em tese, o homem ideal. Elas se envolvem com o misterioso ricaço Daryl Van Horne (Jack Nicholson), que cria uma verdadeira guerra dos sexos e coloca vida da pacata cidade (e principalmente das três amigas) de cabeça para baixo. O filme eve inúmeras indicações a vários prêmios, incluindo duas para o Oscar. 


Sob Suspeita
(Suspect, 1987)
Direção: Peter Yates


Suspense tenso também que funciona como drama de tribunal. Um juiz comete suicídio e, logo após, sua secretária é encontrada morta. Carl Wayne Anderson (Liam Neeson), um indigente surdo-mudo, é preso pelo assassinato da moça. A defensora pública Kathleen Riley (Cher) é designada pela corte para ser a advogada do indigente acusado. Ela tem dúvidas se ele é realmente o culpado, e decide achar o verdadeiro assassino. Com a ajuda de um assessor parlamentar (Dennis Quaid) que faz parte do júri, descobre um perigoso círculo de corrupção no Judiciário. 


Feitiço da Lua
(Moonstruck, 1987)
Direção: Norman Jewison


Nesta irresistível comédia romântica, Cher vive Loretta Castorini, uma jovem viúva, sem sonhos ou ilusões, que está noiva de Johnny Cammareri (Danny Aiello), um homem mais velho e sem grandes atrativos. Mas, ao conhecer seu futuro cunhado de temperamento forte, o padeiro Ronny Cammareri (Nicolas Cage), Loretta se apaixonada por ele. Os conflitos e alegrias da família ítalo-americana temperam essa inteligente comédia que recebeu várias indicações ao Oscar e foi uma das maiores bilheterias de 1988. Venceu nas categorias de Melhor Atriz (Cher), Melhor Atriz Coadjuvante (Olympia Dukakis) e Melhor Roteiro Original (John Patrick Shanley). Entre as outras premiações, Cher ganhou também o Globo de Ouro de Melhor Atriz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário