Novelas pouco memoráveis, trilhas internacionais marcantes


Sabe aquelas novelas das quais pouca gente se lembra? Ou até se lembra, mas não sente muita vontade de rever. O fato de não terem emplacado e nem entusiasmado o público fez com que caíssem no esquecimento rapidamente. No entanto, se as novelas em si não deram certo — por um motivo ou outro — , suas trilhas sonoras internacionais eram recheadas de hits da época. Muito tocados nas rádios, programas de TV e festas, esses hits ainda estão vivos na memória do público, mesmo que as novelas não sejam tão memoráveis. Listei sete dessas trilhas internacionais:


1. Supermanoela (1974)


Mesclando temas românticos com outros dançantes, como é comum em trilhas de novelas, este LP trouxe duas baladas de enorme sucesso: uma foi I’m Falling in Love With You, do grupo de soul norte-americano Little Anthony And The Imperials. O conjunto, na ativa desde a década de 1950, era veterano quando lançou o álbum On A New Street (1973), que trazia a faixa em questão. Curiosamente, a música estourou no Brasil, mas não foi tão marcante fora daqui. O próprio grupo é pouco lembrado hoje em dia. Outra balada, Betcha By Golly, Wow, do grupo também norte-americano de R&B The Stylistics, é muito executada ainda hoje. Até meados da década de 1970, o conjunto (formado no final dos anos 1960) dominou as paradas de sucesso com suas canções românticas, emplacando hit atrás de hit. Betcha by Golly, Wow estava no LP de estreia, lançado em 1971, que também incluía outro grande sucesso: You Are Everything. No LP internacional de Supermanoela, a faixa aparece na famosa gravação de Diana Ross & Marvin Gaye. Outro megasucesso no LP é Goodbye Yellow Brick Road, de Elton John, comumente considerada sua melhor canção. Passando para as faixas dançantes, Hey Hey, do conjunto francês Pop Concerto Orchestra, também estourou no Brasil, além de Witch Doctor Bump, do grupo Chubukos, funk apelidado aqui de "Melô do Pato" (devido aos vocais distorcidos, lembrando o Pato Donald). The Love I Lost, sucesso de 1973 do grupo Harold Melvin & The Blue Notes, também entrou no LP, porém em gravação genérica de Allen Brown. Sylvia, que Stevie Wonder havia lançado em seu álbum de 1966, Down to Earth, também teve destaque na trilha da novela e nas paradas de sucesso. Detalhe: todas essas citadas são apenas as faixas do lado A, que sobreviveram ao tempo e continuam vivas na memória do público.


2. Sinal de Alerta (1978-79)



Como explicam Guilherme Bryan e Vincent Villari em seu livro Teletema: a História da Música Popular Através da Teledramaturgia Brasileira - Vol.1 - 1964 a 1989 (Dash Editora, 2014), as faixas dançantes não foram prioridade neste LP: "Contrariando a tendência da época, esta trilha se baseou mais no pop internacional do período do que na disco music, que realmente nada tinha a ver com o clima da trama (...)". Mesmo assim, três sucessos do gênero marcaram presença: Boogie Oogie Oogie, um dos maiores hits da disco music e o maior do conjunto A Taste of Honey (aqui em versão genérica de Black Symphony); Love’s in You, Love’s in Me, parceria de Giorgio Moroder, papa da música eletrônica, com a cantora Chris Bennett; e Shadow Dancing, o maior hit de Andy Gibb (irmão caçula dos Bee Gees), que liderava as paradas de sucesso da época. Fool (If You Think It’s Over), maior sucesso do britânico Chris Rea (considerado one-hit-wonder), foi outra faixa marcante. Rita Coolidge, que emplacava várias canções românticas na época, era presença constante nas trilhas de novelas da época. Aqui a escolhida foi Love Me Again, tirada do álbum de mesmo nome, lançado naquele ano. O guitarrista, cantor e compositor Eric Clapton teve um de seus maiores hits nesta trilha: Lay Down Sally, faixa country extraída do LP Slowhand (1977), um dos mais emblemáticos e bem aclamados de sua carreira. A canção também fez parte da trilha de Álbum de Família (August: Osage County), um dos filmes mais elogiados de 2013. Falando em filme, dois temas de filmes de 1977 entraram neste LP: o primeiro, Goodbye Girl, de David Gates, tema do filme A Garota do Adeus (Goodbye Girl, 1977) — que rendeu a Richard Dreyfuss o Oscar de Melhor Ator; o segundo, A Distant Time, de Freya Crane, tema de Haunted, filme de terror de quinta categoria do diretor Michael A. de Gaetano. Still the Same, grande sucesso do americano Bob Seger, também é muito lembrada até hoje e aumentou a lista de canções marcantes deste LP. 


3. Os Gigantes (1979-80)



A "ovelha negra" das telenovelas brasileiras ganhou uma trilha internacional bem eclética, com hits que até hoje são muito ouvidos e executados. Teve um pouco de tudo: jazz-funk, rock, disco music, românticas, instrumentais. Praticamente todo o lado A é bem conhecido e ainda tocado em rádios e programas de TV: Good Times, do Chic; I’ll Never Love This Way Again, de Dionne Warwick; Rise, de Herb Alpert; Sultans of Swing, do grupo Dire Straits; e Still, dos Commodores. O lado B envelheceu mais, com faixas hoje obscuras. Mas ainda assim tem She Believes in Me, grande sucesso de Kenny Rogers — no ápice de sua carreira — extraído do álbum The Gambler (1978). 


4. De Quina Pra Lua (1985-86)



Esta trilha teve uma enxurrada de hits que marcaram os anos 1980 e ainda permanecem bastante lembrados. Praticamente todas as faixas foram muito tocadas nas rádios: Don't Close Your Eyes Tonight, de John Denver; Forever Young, do Alphaville; Rock Me Amadeus, do austríaco Falco; Hurts To Be In Love, de Gino Vanelli; Remember I Love You, de Jim Diamond; Tarzan Boy, do grupo italiano Baltimora; I Miss You, do Klymaxx; Never, do Heart; e Saving All My Love for You, de Whitney Houston. Da novela pouca gente se lembra, mas considero esta trilha uma das melhores da época. O LP é ideal para quem quer dar uma festinha "anos 80", com uma boa dose de pop, rock e canções românticas.


5. O Sexo dos Anjos (1989-90)



Eu gostava muito desta novela (talvez por ser criança) e também das trilhas sonoras nacional e internacional. O LP internacional trazia um monte de sucessos que marcaram época. O lado A é bem conhecido: Sweet Child o' Mine, do Guns N' Roses; Listen To Your Heart, do Roxette; A Little Respect, do Erasure; You Got It, de Roy Orbison; Boys (Summertime Love), da italiana Sabrina; If You Don't Know Me By Now, originalmente do grupo Harold Melvin & the Blue Notes, aqui regravada pelo Simply Red; e I'll Be Loving You (Forever) do New Kids On The Block. Boys é frequentemente incluída em coletâneas baratas dos anos 1980. Originalmente lançada em 1987, a faixa explodiu no mundo principalmente por causa do provocante videoclipe da música (um dos mais bregas que já vi). No vídeo, Sabrina aparece dançando na piscina de um movimentado hotel, vestindo um biquíni sem alça. Ao dançar, espevitada, a parte superior do biquíni ficava caindo — o que revelava seus mamilos. A impressão que dá é que o vídeo foi improvisado e mal editado, talvez propositalmente, para exibir os atributos da ragazza. A rede britânica BBC chegou a proibir o clipe de Boys, que depois foi editado para exibição na emissora. O fato é que a música, até hoje, é bem conhecida.


6. Gente Fina (1990)



Impressionante como não me lembro de quase nada desta novela, a não ser da abertura e de algumas cenas soltas. Mas me recordo de ter tentado assisti-la e de tê-la achado bem chata. No entanto, a trilha internacional tocava muito nas rádios. Praticamente todo o lado A foi bastante executado: Another Day in Paradise, de Phil Collins; Running, do Information Society; Sealed With a Kiss, hit dos anos 1960 aqui na versão gravada pelo australiano Jason Donovan (que a recolocou no topo das paradas); Janie's Got a Gun, do Aerosmith; e Advice For The Young At Heart, da dupla Tears For Fears. O lado B não tem tantas faixas marcantes, mas três delas foram grandes hits: Oh L'Amour, do duo Erasure; How Am I Supposed To Live Without You, de Michael Bolton; e All I Wanna Do Is Make Love To You, do Heart.


7. Mico Preto (1990)



Apesar de ter ficado datado, o lado A deste LP quase todo foi de hits que marcaram aquele período: Sending All My Love, do grupo Linear; My My My, de Johnny Gill; Move This, do Technotronic; Still Got the Blues, de Gary Moore; U Can't Touch This, do MC Hammer (faixa até hoje muito popular, sampleada do hit Super Freak, que Rick James lançara em 1981) e The Emperor's New Clothes, de Sinead O'Connor. No lado B,  três sucessos resistiram ao tempo: Oh Girl, de Paul Young; The Power, da banda alemã Snap!; e Star, do Erasure, todas conhecidíssimas. Me lembro de quando ganhei a fita cassete de Mico Preto internacional e de como a escutava sem parar.


PARTE 2

3 comentários:

  1. Move This, do Technotronic, sempre será uma das minhas músicas preferidas NA VIDA.

    ResponderExcluir
  2. Esse LP micro preto internacional foi uma febre mesmo. Pedi para me darem um pois vi uma mulher segurando o dela dentro do ônibus rs. As musicas eram ótimas!!!!

    ResponderExcluir
  3. Maninho desta vez vc não só matou a pau. Vc arrancou o couro, jogou sal e depois deu as pauladas. Que post foderoso, comecei a ser noveleiro em 1985 e até o início de 1996 só não assisti a 3 produções exibidas às 18h (uma dessas reprise).
    "De Quina Pra Lua" tem trilha sonora internacional no mesmo nível de "A gata comeu", apesar da novela ter predicados diametralmente opostos ao do sucesso da Ivani.
    Também gostei de "O Sexo dos Anjos", amava a abertura e me divertia com Heloísa Mafalda ao som de Adocica. A internacional ouvia no carro no caminho de casa pra escola que acabara de entrar. Amo Roxette, impossível esquecer.
    Na teledramaturgia o ano de 1990 foi bipolar: as clássicas Pantanal, Rainha da Sucata e Barriga de Aluguel e as bombas Gente Fina, Mico Preto e Brasileiros e Brasileiras. Lembro bem delas e o quanto oi via as trilhas citadas.
    Mais uma vez viajei lendo um post do mano, é melhor ainda fiquei sabendo algo da novela que estava no quando nasci.

    ResponderExcluir