Ignorância, estranha ignorância


Há mais de dois anos, escrevi um texto para um blog comunitário, feito por amigos aqui da internet. A cada mês, um dos blogueiros colaborava enviando um post. Em uma das minhas vezes, aproveitei a polêmica entrevista que Xuxa tinha dado, na época, para o Fantástico. Depois de um tempo menos em evidência na mídia, a apresentadora voltou na reprise do Planeta Xuxa, que o canal Viva passou a exibir recentemente. Esta semana Xuxa esteve novamente na berlinda, quando começou a circular na internet a notícia de uma possível saída de Xuxa da Globo e uma suposta mudança para a Record.

Sem programa na Globo atualmente, mas com contrato até 2017, o destino de Xuxa na TV ainda é incerto. Como vários sites especulam sobre essa possível mudança de emissora, resolvi reeditar o post que fiz em 2012. Na entrevista de Xuxa para quadro O que vi da vida, no Fantástico do dia 20 de maio daquele ano, a apresentadora revelou ter sofrido abuso sexual na infância. Primeiro veio a enxurrada de críticas negativas, com direito a piadas e deboches. Depois começaram a ressaltar o outro lado da moeda: o número de denúncias contra abuso sexual infantil crescera como nunca.

Xuxa no quadro O que vi da vida, no Fantástico de 20/05/2012 (Rede Globo)
Se, por um lado, a bombástica revelação de Xuxa chocou os telespectadores, também serviu para dividir opiniões. Uns correram em sua defesa, outros aproveitaram para atacá-la. Não pretendo enaltecê-la ou tampouco apedrejá-la. O que sempre me incomodou profundamente é o fato de pessoas se referirem ao filme Amor Estranho Amor (1982), de Walter Hugo Khouri, como PORNÔ.

Pelo amor da sétima arte! Não vamos engrossar esse cordão da ignorância. O filme se tornou controverso depois que Xuxa virou a "rainha dos baixinhos" na segunda metade dos anos 80. Após conquistar tanto sucesso como apresentadora infantil e se tornar o ícone de uma geração, não pegava bem ter no currículo um filme em que ela seduz um menino. Tratou então de começar a desconstruir sua imagem de ninfeta que aparecia seminua no Carnaval e em capas de revistas.




Não é segredo para ninguém que, há mais de duas décadas, ela tenta apagar seu passado. Mais especificamente, sua participação no filme em questão, no qual interpretou uma jovem prostituta que seduz um garoto de 9 anos, vivido por Marcelo Ribeiro. [Na verdade a produção é de 1979, mas o filme só foi lançado em 1982, quando Marcelo já estava com 12 anos.]

Da mesma forma que muitos brasileiros consideraram hipócritas as declarações de Xuxa ao Fantástico, é um exagero enxergá-la como uma pecadora malévola ou uma aliciadora de menores. O que aconteceu em nossa sociedade foi a gradual mistura do papel que Xuxa representou no filme de Khouri com a pessoa que ela é de fato. A ficção assumiu o posto da realidade. Xuxa passou a ser vista por uma parcela da população como uma sedutora de menores disfarçada de benfeitora das crianças. E esse (falso) puritanismo foi crescendo e se espalhando.

Marcelo Ribeiro e Xuxa em Amor Estranho Amor
Ninguém é obrigado a gostar de Xuxa ou mesmo concordar com sua maneira de ser. Mas sair por aí dizendo que ela fez filme "pornô" e que “abusou” do menino já é pegar pesado demais. Será que todo mundo esqueceu a diferença entre ficção e realidade? Será que ninguém mais se lembra que Walter Hugo Khouri (1929-2003), diretor do filme, foi um dos mais respeitados cineastas deste país?

É possível que a forma como Xuxa conduziu o caso ao longo de sua carreira tenha levado tanta gente a criticá-la. Talvez ela tivesse instigado menos detratores se houvesse encarado com mais naturalidade seus trabalhos iniciais de atriz e modelo, sem parecer se envergonhar deles ou querer apagá-los de sua história. 

O fato de ter posado nua ainda muito jovem não desmerece a carreira de Xuxa. Modelos fazem fotos sensuais, namoram jogadores de futebol, às vezes posam nuas e nem por isso são “satanizadas” pela opinião pública. O que está em pauta aqui é o falso moralismo com que muitos condenam a apresentadora, como se ter participado de Amor Estranho Amor fizesse dela uma messalina que merece ser queimada em praça pública, em prol da moral e dos bons costumes.


Ela pode não ter sido muito feliz em suas escolhas iniciais, mas não acho que deva lutar contra esse passado, por mais que haja muita pressão e cobrança da sociedade e da mídia. 

Durante os primeiros anos de seu trabalho como modelo, ela não fazia ideia de que se tornaria ídolo das crianças. Não podia imaginar que seria a responsável pela criação da categoria "apresentadora infantil" e que revolucionaria a forma de fazer programas para crianças na TV brasileira. Quando isso aconteceu, sua carreira foi alavancada. Mas ao mesmo tempo, ela se viu numa saia justa. As fotos sensuais e os filmes picantes já não combinavam com sua nova imagem.

Não sei exatamente quando foi que começaram a tachar o filme de Walter Hugo Khouri de “pornográfico”, mas só pode ter sido a partir da caça às bruxas empreendida pela própria Xuxa. E ela conseguiu, na justiça, que Amor Estranho Amor fosse literalmente banido do mercado. (O que só serviu para torná-lo ainda mais lendário). As especulações de quem nunca assistiu ao filme cresceram e se propagaram, até que ele se tornou “o filme pornô da Xuxa”. Detalhe: ela faz um papel pequeno e não é a personagem principal. E o filme é bem arrastado.

O cartaz original (à esquerda) foi mudado após o sucesso de Xuxa como apresentadora
Mas Amor Estranho Amor passou a ser a eterna pedra no sapato de Xuxa, a mancha negra no reinado da rainha dos baixinhos. O mais curioso é que o filme nem fez muito sucesso. O que despertou enorme interesse – tanto da mídia quanto do público – foi o estardalhaço criado anos depois. O filme de Khouri passou a ser erroneamente categorizado por muitos como pornochanchada e até mesmo pornográfico, quando na verdade é um drama com toques eróticos. O elenco principal conta com Tarcísio Meira, Vera Fischer, Mauro Mendonça e Íris Bruzzi.

“Tudo nasceu do convite do produtor Aníbal Massaini para a realização de um filme sobre o amor visto pelo prisma de um menino”, explicou Walter Hugo Khouri, na edição de outubro de 1982 da revista Penthouse. “Neste filme, por exemplo, há todo um pano de fundo político, no clima incerto e tenso do final dos anos 30 no Brasil – época em que a ação se desenrola –, mas o que realmente importa são os sentimentos amorosos e eróticos do menino”.

Xuxa com Vera Fischer e Walter Hugo Khouri no set de filmagens
Vale lembrar que, apesar das polêmicas cenas de nudez e sexo (que o menino Marcelo protagonizou não apenas com Xuxa, mas também com Vera Fischer e Matilde Mastrangi), elas não foram gratuitas. Faziam parte do contexto da história. E naquele tempo (final dos anos 70/começo dos 80) não existia o cuidado que há hoje com a imagem das crianças. Nesse sentido, havia menos pudor. Outro fato que não custa lembrar é que os filmes nacionais daquela época eram recheados de erotismo e nudez. E nem por isso as pessoas saem por aí dizendo que artistas como Fernanda Montenegro, Antônio Fagundes, Reginaldo Faria, Christiane Torloni, Paulo Gracindo, Maitê Proença, José Wilker ou Tarcísio Meira fizeram filmes “pornôs”.

Vera Fischer, Tarcísio Meira e Xuxa em cena do filme
O próprio Marcelo Ribeiro, que protagonizou a famigerada cena com Xuxa, disse em entrevista ao TV Fama (Rede TV!), em 2007: "Em nenhum momento houve sacanagem. Filme erótico, pra mim, não tem nada a ver com sacanagem". 

Marcelo Ribeiro na época do filme e em 2007
O crítico de cinema Rubens Ewald Filho, que fez uma ponta no filme, escreveu em seu blog: “Seguindo sua tradição de lançar ou aproveitar as mais belas mulheres/atrizes do cinema brasileiro, [Walter Hugo Khouri] apresentou neste filme Xuxa Meneghel. Uma ousadia que lhe custou caro. Anos depois, Xuxa conseguiu a interdição do filme, que é um dos filmes de Khouri mais maduros e sensíveis”.

Todos têm a liberdade de discordar das declarações de Xuxa ao Fantástico, de não gostar de seu trabalho e até mesmo de não simpatizar com sua figura. Mas não vamos passar atestado de ignorância e continuar repetindo por aí que Xuxa fez filme pornô ou que molestou um garoto. Falta de discernimento tem limite.

7 comentários:

  1. Olá rapaz,
    Bacana seu post.

    Então, a história de "filme pornô" da Xuxa, que eu me recorde, começou quando, na cola do sucesso incomparável que ela fez nos 80, relançaram o filme em VHS, com a imagem e o foco nela (coisa que não aconteceu quando do lançamento do filme) e com a chamada "Venha ver o que a Xuxa faz com os seus baixinhos".

    Foi nessa que começou a briga toda. Eu, particularmente, não tiro a razão dela em momento algum. É claro que eu, daqui do meu humilde anonimato nos anos 2010 acho que era só ela falar "fiz e pronto", mas é difícil imaginar isso em se tratando de uma figura pública, mulher (e a gente sabe que a mulher é sempre a "culpada"), nos anos 80.

    Eu sempre vi essa ignorância contra a Xuxa (uma mulher absurdamente bem sucedida, que, por exemplo, já tinha sua própria Fundação 25 anos atrás) como um pouco de misoginia. Basta pensar em tudo de controverso que Pelé ou Ronaldinho já fizeram e disseram, mas nunca nada disso pesa contra eles (Ronaldinho, por exemplo, deixou a mulher grávida em casa e foi pro motel com duas travestis -- nenhum julgamento meu aqui --, mas se for pensar pelo lado da opinião pública, isso pouco importa na hora de constantemente escalá-lo para comerciais onde o foco é a família).

    Enfim, eu falei sobre essas coisas no meu TCC, uns sete anos atrás. De lá pra cá, já daria pra acrescentar muita coisa.

    Mas enfim, não vou escrever um testamento aqui nos comentários. Se o sr aparecer em BH uma hora, a gente conversa mais sobre o assunto.

    Abraço!

    P.S.: Passo sempre por aqui, adoro o blog. Muitas das suas referências são as minhas também. Inclusive o ABBA, que me lembra quando eu era "o esquisito do colégio que gostava daquela banda velha que ninguém conhece", rs.

    ResponderExcluir
  2. Post perfeito... Falou tudo e sobre todos.
    Perdemos um filme de um grande diretor.

    ResponderExcluir
  3. As pessoas preferem criticar e julgar em vez de fazer algo bom como ela faz.
    Tempos tristes!

    ResponderExcluir
  4. Feliz de ler sobre sua postura, que também é a minha. Belíssimo filme de Khouri, infelizmente inacessível por ignorância e hipocrisia.

    ResponderExcluir
  5. Obrigado, Sami! Hoje em dia é praticamente impossível fazer as pessoas entenderem que NÃO se trata de um filme pornográfico e que Xuxa é NÃO seduziu nenhum garoto. A PERSONAGEM sim. Mas o povo insiste em perpetuar a ignorância...

    ResponderExcluir
  6. Até a Simony e a Mara Maravilha foram capas da playboy, Xuxa apenas fez o que a maioria das modelos faria no começo da carreira, para quem não sabe, Walter Hugo Khouri por ter sido um dos cineastas mais importantes do Brasil ganhou muitos prêmios do exterior.

    ResponderExcluir