A casa que roubava as cenas


Ainda na adolescência, eu costumava assistir incessantemente aos mesmos filmes, hábito que  devo confessar  ainda mantenho. Se fosse de suspense então, aí sim eu delirava! Sempre gostei de ver e rever meus filmes favoritos inúmeras vezes. Os anos passam e eu sigo com meu pequeno prazer, que sempre me empolga (mesmo que eu já conheça o filme de cor e salteado).

Foi assim que o cenário de três filmes começou a me intrigar. Quando tinha uns 15 anos, peguei na videolocadora um filme britânico chamado Terror Cego (Blind Terror / See No Evil, 1971). Suspense de primeira com Mia Farrow no papel de uma cega que passa o pão que o diabo amassou para escapar de um maníaco assassino em uma mansão isolada. O cenário é belíssimo, em Berkshire, sudeste da Inglaterra. Bracknell Forest com suas paisagens idílicas, cores lindas... Perfeito para uma jovem indefesa sofrer enquanto luta para não ser assassinada. Mas o interior da mansão também é muito bonito e tem arquitetura e decoração bem marcantes. Tanto o exterior quanto o interior foram muito bem explorados na construção do suspense e do drama do filme.


Pois bem, algum tempo depois assisti na TV a outro filme mais ou menos da mesma época, Sombras na Escada  (The Spiral Staircase, 1975), refilmagem de um suspense preto-e-branco dos anos 40. Dessa vez, a jovem indefesa - porém muda, e não cega - foi Jacqueline Bisset. E qual não foi minha suspresa ao notar que a casa do filme era a MESMA de Terror Cego! Se não chega a ser tão bom quanto o primeiro, Sombras na Escada também garante alguns momentos de suspense. 

Terror Cego (1971)
Terror Cego (1971)
Terror Cego (1971)
Mas se uma vez é pouco, duas é bom, então três é demais. Novamente, mais ou menos na mesma época, me apaixonei por um outro filme que vi na TV, Terror e Loucura (Tales That Witness Madness, 1973), muito reprisado pela extinta Manchete. E qual não foi a minha surpresa ao ver a mesma casa de novo! Era uma daquelas antologias irresistíveis da Amicus (produtora britânica de filmes de terror), muito comuns no começo dos anos 70, com quatro ou cinco histórias de terror. Foi lançado m vídeo com o título de Testemunhas da Loucura. A casa em questão aparece no último episódio, "Luau", com Kim Novak.


Com o passar dos anos, revi os três filmes dezenas de vezes e fiquei com os cenários bem nítidos na memória. Com certeza era a mesma casa. Por dentro e por fora. A cada filme, o interior passava por algumas pequenas modificações. Um papel de parede aqui, um jarro de flor ali, uma poltrona diferente acolá... Mas era nitidamente a mesma casa, com portas altas em forma de arco.

Terror e Loucura (1973)
Terror e Loucura (1973)
The Stud (1978)
The Stud (1978)

Recentemente, tantos anos depois, deparei-me novamente com a mesma casa (pela quarta vez!), agora no filme The Stud (1978), com Joan Collins, baseado no romance homônimo da irmã de Joan, Jackie Collins. Uma canastrice pretensamente 'sexy'. Na verdade, um pretexto para cenas calientes protagonizadas por Joan. 


Pesquisando no IMDb antes de publicar este post, tive a confirmação "oficial", de que se trata realmente de uma casa de verdade. Não é estúdio. Trata-se de Binfield Manor e, segundo li em uma lista de discussões (BritMovie.co.uk), a mansão pertence atualmente ao Sultão de Brunei. Sorte a dele!



Nenhum comentário:

Postar um comentário